Plágio é crime, conforme Lei 9.610/98. Se quiser reutilizar algum dos textos deste blog, por gentileza, dê os devidos créditos.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Conselho das alianças


Em uma das aulas dessa semana falamos sobre a amizade e percebi que muitas pessoas não conseguem mais confiar nas outras. 

Quando se pergunta de amigos verdadeiros, alguns contam nos dedos e outros não confiam nem na família. 

E então hoje tiro essa carta e me pergunto: o que resta de nós? 

Tenho sentido que algumas pessoas tem criado uma realidade solitária, medrosa, defensiva de tudo o que pode machucar.

Temos medo da dor, do sofrimento, da desilusão, da traição... Mas nunca nos perguntamos: será que os traidores, os que causam dor e desilusão não somos nós mesmos?

Qual é minha responsabilidade por tudo o que aconteceu e que tem acontecido comigo? Eu errei em acreditar demais? Só o outro criou a ilusão ou eu também criei essa ilusão com ele?

É sempre muito fácil culpar os outros pelas nossas dores, mas pouco vemos quantas dores causamos em nós mesmos e quanto nós somos responsáveis por aquilo que acontece conosco.

Se dizemos: Eu sempre me ferro! Pois o que estamos fazendo para se ferrar tanto?

O mundo não nos odeia, o mundo não está errado, nós é que perdemos a aliança com ele, a conexão, o propósito.

E por mais que lutemos por um mundo melhor tentando mudar os outros, o único efeito que temos tido é mais destruição... Dizem que só mudamos o mundo quando mudamos a nós mesmos dentro das nossas relações.

Reclamamos de corrupção, mas fazemos muitas coisas por debaixo dos panos. Nos acomodamos em aceitar que "ah, todo mundo faz..." Se somos fiéis (alianças) conosco e com nosso propósito, não tem como nos deixarmos corromper por qualquer outra coisa que não esteja dentro do que fomos criamos para fazer.

A aliança hoje, diz: una-se a você mesmo. Una-se ao universo. Una-se aos outros... estamos todos conectados independentemente do quanto queremos ser independentes e solitários.

Não dói nada gostar dos outros, se primeiro passamos a gostar de nós mesmos.

2 comentários:

  1. Isso aí Dannilo! Como bem disse Gasparetto: "Só existe uma única fidelidade;que é a fidelidade a si mesmo"! Quantas traições. Quantos rompimentos. Lembro d'O "contato com a alma" que você cita em seu perfil!

    ResponderExcluir
  2. Simmmm, é verdade!!! É muito fácil da gente se perder de nós mesmos, infelizmente. Mas sempre dá para se encontrar. ^^

    ResponderExcluir